Fique injuriada

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

PC do B rechaça PSEU do B



Dando seguimento às investidas que buscam desestabilizar o exitoso governo da presidenta Dilma Rousseff, o campo político reacionário do país associado a veículos dos monopólios de comunicação realiza uma covarde campanha difamatória contra o ministro do Esporte, Orlando Silva. Espalham calúnias de um farsante, João Dias Ferreira, um indivíduo desqualificado, processado pelo Ministério Público Federal e que, inclusive, já foi preso por corrupção. Atacam, também, a honra do PCdoB com o objetivo de desacreditá-lo. Instauraram contra o ministro e o Partido uma espécie de “tribunal de exceção” que se arvora no direito, de em rito sumário e sem provas, de julgar e condenar. Este expediente é uma agressão à democracia brasileira.

Dilma sugeriu que Orlando Silva peça demissão ainda hoje
 Tchau, Orlando Silva!

Essa verdadeira “caçada” empreendida contra o ministro Orlando e, também, ao Partido, foi desencadeada no último dia 15, pela revista Veja. É algo comparável às criminosas investidas de que os comunistas foram vítimas à época de períodos autoritários da nossa história. Depois de uma semana, as acusações lançadas contra o ministro do Esporte continuam sem provas. Tais provas não apareceram e nem vão aparecer, como sustentou com firmeza e serenidade o ministro nas audiências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal às quais se dirigiu por sua própria iniciativa. Nas duas Casas do Congresso Nacional, recebeu o apoio uníssono dos partidos da base do governo e o tratamento respeitoso de setores da própria oposição. Ao contrário da denúncia, nunca houve a audiência do ministro com o farsante para pactuar acordos. Aliás, uma das motivações das criminosas atitudes de João Dias deriva do fato de o ministro Orlando ter encaminhado ao Tribunal de Contas da União (TCU) um expediente para que ele devolva mais de três milhões de reais desviados do Programa Segundo Tempo. Quanto à “bombástica” denúncia da revista Veja de que o ministro teria recebido “propina” na garagem do Ministério, essa “bomba” estourou no próprio “colo” da revista. É uma mentira tão descarada que o próprio farsante já recuou. “Não. E em nenhum momento falei que eu vi o ministro receber”, conforme declarou ao jornal Folha de S. Paulo.........................................................................

Um comentário: